Sítio da equipa do Centro de Documentação e Informação do Agrupamento de Escolas Passos Manuel
Aqui, apresentamos as atividades da nossa comunidade com as bibliotecas escolares, desde a Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário.

14/02/2013

BE 2.0 - Reflexão crítica

Tendo em conta o plano de ação (fictício) elaborado para a ação de formação Biblioteca Escolar 2.0, publico neste blogue (criado para o efeito) a reflexão crítica de aplicação do plano anunciado.

Plano de Ação (clicar aqui)

Reflexão crítica

         O blogue coletivo “DOIS e DOIS são CINCO”, cujo endereço é http://2e2sao5.blogspot.pt, foi desenvolvido por dois professores bibliotecários do Agrupamento de Escolas Baixa-Chiado, fomentado pela nossa participação na ação de formação Biblioteca Escolar 2.0 (Centros de Formação António Sérgio e Prof. João Soares, de Lisboa) e que, desde o dia 26 de fevereiro de 2013, após parecer do Conselho Pedagógico, passou a apresentar todas as atividades realizadas/organizadas pela comunidade educativa em todas as bibliotecas escolares do nosso agrupamento, tendo por base a liderança de dois professores bibliotecários, em duas bibliotecas escolares (integradas na RBE), que apoiam atividades de turmas em 5 estabelecimentos escolares (desde a Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário).
         O Plano de Ação que apresento no final da formação tem em conta alguns dos objetivos gerais indicados no Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas (fictício), dos quais uma equipa da BE apresenta objetivos específicos no Projeto Curricular de Agrupamento (fictício), com vista ao desenvolvimento da utilização das TIC e as ferramentas WEB 2.0. O blogue criado será uma “janela” de divulgação dos trabalhos colaborativos desenvolvidos em todas bibliotecas escolares do agrupamento, podendo ser reutilizados por outros docentes e discentes, assim como outros atores educativos da comunidade (pais e encarregados de educação, por exemplo).
         A aposta em envolver a equipa da BE na colaboração de atividades com os docentes (e indiretamente com os discentes) tem por base o aumento da diversificação de materiais a utilizar numa prática pedagógica, criando um momento enriquecedor e apelativo para os discentes, ao serem utilizados instrumentos atuais, e da vivência dos alunos, numa sociedade da informação cada vez mais dependente das TIC na pesquisa e produção de saberes. O envolvimento das TIC, em meio escolar, é uma aposta que um profissional de ensino deve ter, à luz da Lei de Bases do Sistema Educativo, em especial, os objetivos dos ensinos básico e secundário e, em particular, ao “fomentar o gosto por uma constante actualização de conhecimentos”, assim como, ao “criar condições de promoção do sucesso escolar e educativo a todos os alunos”.
         A promoção da equipa da BE pela utilização das TIC (com ferramentas web 2.0) no desenvolvimento da literacia da informação numa biblioteca escolar, deve ser entendido como um desafio que a sociedade da informação coloca à escola, após a requalificação pela Parque Escolar em muitos estabelecimentos escolares que ficaram apetrechados com instrumentos tecnológicos atualizados com acesso ao mundo da informação, havendo necessidade de formar os utilizadores que passam a desenvolver competências até agora quase impossíveis. Tal como salienta Zorrinho no seguinte excerto:
“Num mundo saturado em informação, a fonte de valor não é a disponibilidade bruta de dados mas a capacidade de os usar de forma útil. E esta capacidade implica não apenas competências técnicas e tecnológicas, mas também um padrão de seletividade profundamente apurado, desenvolvido a partir da definição clara de objetivos e condicionantes.” (Zorrinho in O mundo Virtual, Cadernos de gestão dos sistemas e tecnologias de informação, p. 21)

          Nesta medida, tal como consta no Plano de Ação por mim apresentado, em que a equipa da “BE apoia projetos escolares que incluem atividades de consulta e produção de informação e de intercâmbio e comunicação através das TIC (…)”, deve ter-se em conta as vantagens da utilização destes instrumentos, com recurso à Internet:
                      - na obtenção de informação;
                      - na pesquisa de pessoas, empresas, produtos e serviços;
                      - na ocupação dos tempos livres e de lazer;
                      - na possibilidade de contacto com outras pessoas (individual ou coletiva).

        Nesta perspetiva, a equipa da BE deve adaptar-se a estes novos tempos, fornecendo novos serviços e novas experiências multimédia, centradas no utilizador (quer seja docente, discente, ou outro), em que “organiza e participa em atividades de formação para docentes e alunos no domínio da literacia tecnológica e digital” (Paulo Gomes in Plano de Ação, pág. 2).
         Deste modo, o papel da BE na escola acentua “o papel do aluno e do seu trabalho no processo de ensino/aprendizagem” (João Paulo Proença in II Congresso Internacional TIC e Educação, pág. 2133) que buscará pelo saber comunicando diretamente (e em primeira pessoa) com o mundo da informação.

Sem comentários: